sábado, 23 de abril de 2011

Lidando com os problemas


Cada um tem uma maneira de lidar com os problemas e com o tempo essa maneira vai mudando, lembro que quando terminei o último relacionamento, deprimida com a auto estima baixa, 33 anos, trabalhando em um emprego estável a 05 anos, achei que merecia gastar, acordei cedo no sábado e decidi: vou comprar um carro.
Fui até a concessionária esperando comprar um modelo básico, 04 portas com direção eram minhas únicas exigências. Chegando lá o primeiro problema, no estoque não tinha 04 portas com direção só 02 portas e a única opção de cor era a branca e eu queria sair de lá já com meu novo brinquedo, partimos para outras opções fiz teste drive com outro carro ainda básico, gostei mas o vendedor percebeu que se desse uma forcinha eu comprava um carro melhor, afinal eu estava deprimida querendo algo que realmente levantasse meu ânimo.
Fomos nós para mais um teste drive e daí amigo o vendedor foi bom, me mostrou o que o carro tinha de melhor, o retrovisor parecia o espelho do meu banheiro dava para enxergar praticamente o corpo todo, além disso, o banco tinha regulagem de altura um item bem importante para quem tem 1,50m e mostrou outros itens que passaram despercebidos porque eu só conseguia pensar na regulagem do banco, fiquei umas duas horas com o vendedor e claro sai de lá sem carro, mas o possante estava encomendado, vermelho para quem sabe atrair um novo amor, 04 portas, direção, vidro elétrico, ar condicionado, alarme... é meu básico já estava bem melhor, na hora lembro de ter pensado, básico era o relacionamento que eu tinha agora que posso escolher quero um completo.
Cheguei em casa com a noticia todo mundo sabia que eu não estava bem e na mesa do almoço anunciei, comprei uma coisa, meus pais me olharam preocupados e eu falei “comprei um carro zero” a alegria foi geral afinal eles esperavam para os próximos dias lágrimas e uma pitada de depressão, mas com o tempo se aprende que para superar decepções você precisa de um pouco de praticidade e uma pitada de coragem, e na minha próxima decepção que se cuidem os corretores.

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Depois dos 30!!


- Tenho mais amigos que aos 20, mas tenho orgulho de preservar os que já tinha;
- Continuo acordando cedo e trabalhando muito mas ainda gosto de acordar tarde;
- Ouço de tudo sem culpa desde rap, rock, MPB, samba, sertanejo, mas ainda prefiro o velho rock dos anos 80;
- Choro sempre que tenho vontade e aprendi que não sou menos forte por isso, só mais humana;
- Tenho vários defeitos e consciência acredito, da maioria deles e tento melhor em cada um todo dia;
- Gosto da tecnologia, mas prefiro o contato físico, um telefonema a um scrap no Orkut ou no facebook;
- Já li muitos livros, mas sempre quero ler mais;
- Adoro filosofia de boteco, beber, sorrir e discutir sobre a vida, o passado e o futuro;
- Quero me casar e ter filhos, de preferência homens, enquanto isso amo todos os filhos e filhas de amigos e irmãos;
- Já escolhi entre vida pessoal e carreira e fiquei com o segundo, hoje em dia peso 70% - 30% para o primeiro;
- Fui para vários lugares, nunca vou esquecer Jericoacoara mas, ainda quero poder viajar muito mais;
- Tenho atração indescritível por esportes radicais, já voei de asa delta, já fiz rapel, raffiting, mas ainda quero voar de pára-quedas e mergulhar em Bonito;
- Acho que o mundo está cada dia mais perdendo valores que aprendi com meus pais e isso me assusta;
- Descobri que se um dia gostei de alguém, não importa o que haja ou quanto eu seja magoada, jamais conseguirei sentir raiva, talvez indiferença, mas nunca raiva;
- Prefiro churrascos a baladas; Verão a inverno; Ser do que ter;
- Quero uma casa com quintal, grama, filhos e cachorros;
- Adoro cultura teatro, cinema, exposição, amo fotografar;
- Prefiro que me digam algo diretamente a que queiram que eu adivinhe ou perceba;
- Ainda tenho muitos sonhos e coisas para fazer e olha que dizem que a vida só começa aos 40.

domingo, 26 de dezembro de 2010

A tal da mulher séria


Procura-se a “mulher séria” essa tal de mulher que até agora não consegui se quer definir quem é, essa criatura inventada pela mente dos homens, que tem características pouco claras, por exemplo, e que em pleno século XXI é citada por muitos.
Devido a minha curiosidade resolvi pesquisar e a cada amigo meu que conseguia “entrevistar” perguntava que raio era essa tal de mulher séria para os homens?
Recebi algumas respostas como: mulher séria é uma mulher contida...ah tá uma mulher que não dança, não ri com as amigas, provavelmente nunca fala palavrão,mesmo quando acerta o dedão do pé na quina da parede, não deve ter celulite, nem estrias também.
Comecei a achar essa tal mulher mais estranha ainda, e continuei a pesquisa, mais uma resposta: É aquela mulher para casar...mais uma reflexão: ela deve limpar a casa como a Gata Borralheira, cozinhar como a Dona Benta e ainda por cima estar sempre feliz e linda, mesmo quando ele chega em casa de pilequinho as 03:00 da manhã.
Que estranho sempre achei que mulher para casar era a que acordava cedo para ir ao trabalho, buscava os filhos na escola, passava no mercado, dava instruções para empregada, lutava para conquistar as coisas juntos, fazia as unhas e a noite ainda estava disposta a fazer amor com o amado, mas bem cabeça de homem, vai saber.
Não contente com as descobertas continuei e recebi a máxima de todas “mulher séria” não bebe, não sai sozinha, não gosta de balada e não fala palavrão e daí sim pude concluir minha tese que essa tal de “mulher séria” é uma puta de uma chata, com perdão da palavra, sim eu falo palavrões, ela deve estar junto com o tal do Príncipe Encantado em algum reino encantado esperando os homens que buscam “uma mulher séria para casar” , porque esses seres perfeitos não sobreviveriam um dia neste nosso mundo real.
E cá entre nós acho que se os encontrássemos tenho certeza que depois de pouco tempo os homens iriam preferir a “mulher divertida” a tal da “mulher séria” porque a algum tempo eu já descobri que o Lobo Mal é mil vezes mais divertido que o tal Príncipe Encantado.

Recomeçar


Tem momentos que não importa que tamanho é o querer temos que abrir mão, dizer adeus, seguir em frente trocar o foco.
Os momentos são diferentes e isso causa uma necessidade distinta, um horário que não bate uma vontade em intensidades diferentes.
Insistir no que não está trazendo felicidade é perda de tempo é deixar que as oportunidades passem é existir e não viver.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Minha Historia até os 30


Já tive dobrinhas gordas pelo corpo todo e todo mundo achava lindo, com o tempo elas sumiram ainda bem.
Daí vieram os óculos de armação grossa que ninguém mais achava bonito... Eu odiava!!!
Tive vários amores platônicos sempre pelos amigos do meu irmão. Os apelidos: tive vários!!...alguns se foram como grilo e toco (horrorosos), outros me acompanham até hoje como Baixinha, Vivinha, Vivi e Sany pra mim o mais doce de todos.
Veio o primeiro emprego, longe para caramba, mas eu achava o máximo depois o segundo e nesse até telefone na mesa eu tinha, e um computador na sala para dividir entre 4 pessoas, mas o TOP era o apontador de lápis elétrico, eu adorava, nunca mais vi um igual.
Nesse ano o Senna morreu, lembro da cena, todo mundo na recepção assistindo ao enterro, e todos os marmanjões com os olhos cheios de lágrimas, também chorei naquele dia. Fernando Henrique foi eleito, acabou a URV, chegou o real, vieram mais amores, confesso que foram muitos nessa fase.
Começaram as neuras, boca grande demais, olhos redondos demais, seios volumosos de mais, achava tudo demais, menos meus 40Kg que acha de menos, dei trabalho pro Dr. Marcos, tanto trabalho que até hoje ele não se livrou de mim.
Acabei o colégio meu curso técnico de 4 anos, não entreguei o último projeto, fiz cálculo para ver a nota que faltava, contei as faltas e só fiz o mínimo que precisa para acabar. Já estava no limite, não agüentava mais...
Um novo emprego logo depois, empresa grande e um computador só para mim, mas tive que me despedir do apontar de lápis.
Fiz planos de me casar, guardei grana, comprei enxoval, mas tudo acabou e eu pela primeira vez desmoronei na vida adulta!
Chorei, xinguei, chorei de novo, gritei, chorei mais uma vez, mas depois de quatro meses me recuperei, tirei férias, torrei a grana e me renovei.
Aos 24 anos mudei de profissão comecei de novo, fui para faculdade voltei para os estágios para desespero da família. Mas acabou dando certo, depois dos árduos anos de uma faculdade paga, de estágios que não pagam bem consegui me estabilizar agora consigo fazer as coisas que quero, aquelas que sim, o dinheiro no fim do mês compra, a casa dos meus pais, meu carro, minhas viagens e para todas as outras existem meus amigos de tantos anos, o novos amigos que fiz, minha família e os novos amores, com esses fiz um acordo, nem eles me perseguem e nem eu fujo deles, um dia eu conto se a gente se encontrar!

quarta-feira, 10 de março de 2010

Será?


O grande barato da vida é chegar aos trinta e descobrir que você ainda não sabe nada, é descobrir que conviver com você mesmo depois desses árduos 30 anos não te da propriedade para definir quem exatamente você é. Por quê?
Porque felizmente não somos imutáveis, hoje sei quem eu sou, mas amanhã com certeza não serei a mesma e é isso que nos da fôlego para acordar todos os dias e dizer hoje vai ser o que tiver que ser.
Claro que ter planejamento, uma agenda, metas nos ajuda há organizar um pouco as coisas, mas o viver e não saber exatamente como seu dia vai acabar é sempre mais excitante.
Agora mesmo sentei aqui esperando o cabelo secar e queria escrever um texto sobre como recomeçar e olha no que deu!

sábado, 19 de dezembro de 2009

Malhando!!!


Hoje em dia não me preocupo mais com as mesmas coisas...a idade, opa experiência nos traz outras preocupações.


Aos 20 era bem mais magra com tudo em cima, em cima mesmo! Mas a minha imaturidade aliada à minha insegurança não permitiam que eu me sentisse assim..


Naquela época queria ser a gostosona, com bunda grande, com peito grande, queria ser como aquela coxuda que todo mundo admirava...e eu na verdade era um mignon


Hoje já tenho saudades daquele corpinho...bunda não tão grande, peitos pequenos, mas no lugar, sem falar na barriga que agora sim é que eu sei o que é ter que perder uma barriga e tentar se livrar de uma pochete (gordura circular ao redor do abdomem) depois dos 30!


Mas sabe que hoje ir pra academia é mais divertido! Apesar de demorar bem mais pra perder alguns quilinhos, me sinto bem mais segura...quando vejo as menininhas de 20 todas encabuladas e inseguras como eu era na época, dá vontade de dizer : Menina, aproveita !


Mas olha que engraçado, os homens na academia continuam os mesmos, levantando super pesos e fazendo caretas na frente do espelho..e se você for fazer academia e tiver só meninos, tomara que não esteja muito calor, porque eles transpiram com vontade! E adoram exalar cheiro de macho pelo ar...Algumas mulheres adoram!!! Eu dispenso!


Aos trinta posso dizer que aproveito bem mais, malho com consiência, faço os exercícios certinho, converso com o pessoal, com o professor, acho que sou bem mais EU! E isso meninas, não tem preço!

Por: Maria Lucia Juk